História

Olá! Meu nome é Michele Bravos e, ultimamente, tenho me apresentado como idealizadora do Instituto Aurora. Aqui, eu compartilho com você, um pouco da nossa história.

Aurora sempre foi um grupo de pessoas, composto majoritariamente por mulheres, que acredita que o Brasil e os países do Sul Global podem ser um lugar mais justo socialmente, livre de preconceitos. A educação e a arte, para nós, podem ser caminhos para construirmos essa realidade. Por aí que temos feito nossa trilha.

Antes de ser um Instituto, com ações na prática e pessoas sendo impactadas, Aurora era um projeto. E, antes disso, um sonho.

Nosso primeiro projeto, ainda como grupo informal e independente, foi o projeto Eu Vejo Flores, em 2015. O projeto consistia em dialogar sobre: autoestima, autonomia, perspectiva de vida e violência, com mulheres em cumprimento de pena no sistema carcerário. Acreditávamos e ainda acreditamos que antes de falarmos sobre direitos e deveres com essa população, precisávamos e precisamos lembrá-las que elas são pessoas e como pessoas podem ser autônomas – e, assim, compreender a responsabilidade pelos seus atos – e também se sentirem autoras de suas próprias histórias.

A partir do reconhecimento do projeto Eu Vejo Flores por parte de universidades em âmbito nacional e setores públicos do Estado do Paraná, tivemos a oportunidade de expandir nossa atuação em público e espaço, no ano de 2017. Passamos a realizar o Eu Vejo Flores com meninas inseridas no sistema de socioeducação. A partir disso, foi possível realizar uma versão masculina desse projeto, ainda no mesmo ano, intitulada Homens Possíveis.

Então, no final de 2017, o Instituto Aurora abraçou os projetos que já eram realizados de forma independente e, paralelamente, planejou novos projetos. Começou, assim, o nosso processo de formalização e profissionalização. O ano de 2018 foi um ano de estruturação e diversas conquistas. Iniciamos o ano com um aporte financeiro do Fundo Elas e Instituto Avon, tendo sido uma das 13 instituições selecionadas entre mais de 600 inscritas no Brasil inteiro. E, fechamos o ano como uma das 12 instituições finalistas no Prêmio Legado de Empreendedorismo Social 2018.

Quando o Instituto Aurora ainda era um sonho, ele existia no meu coração e na minha mente. Quando o sonho foi compartilhado, ele começou a se tornar realidade e, aos poucos, centenas de pessoas foram sendo impactadas por algo que já não era mais só meu. Aurora é um sonho compartilhado. Aurora é um projeto de muitas pessoas. Aurora é uma organização de gente que se desafia, que (se) transforma e que ama.

Esse é só o começo de nossa história. Continua…

Por que existimos?

Queremos contribuir para a construção de uma sociedade mais justa socialmente e livre de preconceitos. Acreditamos na educação em direitos humanos, por meio do desenvolvimento da empatia e da construção de diálogos, como forma de garantir uma vida digna coletiva. 

O reconhecimento e a afirmação do eu e do outro, alcançados por meio de uma autoconsciência transformada e uma percepção de mundo ressignificada, podem nos conduzir à construção de realidades em que vidas são valorizadas. Nenhuma vida vale menos.

Existe um tipo de amor que se traduz em ações. Há uma esperança que é ativa, que se move enquanto vislumbra novas possibilidades de existência. Podemos ser uma sociedade que ama e, por isso, garante direitos ao invés de violá-los. Podemos agir com esperança, tornando a utopia uma realidade.

Aurora. Como o nome sugere, queremos iluminar o que ainda está oculto. Queremos ver o que já existe e não está sendo visto. 

Missão, visão e valores

Missão: Contribuir para a construção de uma sociedade mais justa socialmente por meio de diálogos empáticos e atitudes que promovem paz, para educar em direitos humanos.

Visão: Integrar uma sociedade socialmente justa, livre de desigualdades e preconceitos, e que compreende a sua humanidade compartilhada.

Valores: Amor, Justiça Social, Empatia, Liberdade e Cooperação

Compromisso ODS

O Instituto Aurora está comprometido com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Educação de qualidade.

Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Igualdade de gênero.

Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

Redução das desigualdades.

Contribuir para a redução das desigualdades dentro dos países e entre eles.

Paz, Justiça e Instituições.

Promover a paz e o acesso à justiça sem discriminação, contribuindo para a eficácia de instituições em todos os níveis.

Equipe

Diretoria

    Michele Bravos

    Michele Bravos Diretora-Executiva

    @michele_bravos

    Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Políticas Públicas, pela PUCPR. É professora na mesma universidade em disciplinas relacionadas à mídia e direitos humanos na pós-graduação. É também facilitadora de círculos de construção de paz e possui 15 anos de experiência em projetos sociais.

    Fernanda Mattos

    Fernanda Mattos Diretora de Projetos

    @fernandamattos

    Assistente social e mestre em Ensino nas Ciências da Saúde, pelas Faculdades Pequeno Príncipe. É instrutora de Cursos de Justiça Restaurativa, pela AJURIS (RS) e facilitadora de círculos de construção de paz. Trabalha com projetos sociais há 14 anos.

    Equipe fixa

      Gabriela Almeida

      Gabriela Almeida Designer

      @gbstcl

      Formada pela Universidade Positivo, possui experiência nas áreas de comunicação e marketing social, gestão de projetos e empreendedorismo. Há mais de 10 anos atua em projetos sociais.

      Mayumi Maciel

      Mayumi Maciel Assistente de diretoria e relacionamento

      @andrea_mayumi_

      Jornalista formada pela UFPR, especialista em Comunicação e Cultura pela UTFPR. Atua em projetos sociais há cinco anos.

      Voluntários 2018 / 2019

        Adriane Marques

        Ana Carolina Maoski

        Ana Deliberador

        Ana Luiza Rei

        Ana Maria Martins

        Annie Libert

        Arthur Martins

        Barbara Chelski

        Barbara Vanzo

        Bruna Daum Alves

        Bruna Steudel

        Carol Castanho

        Carol Suss

        Cleverson Pacheco

        Dani Tupinambá

        Ester Athanásio

        Franciele Correa

        Graziela Tonhozi

        Helena de Farias

        Isadora Macedo

        Ivana Lemos

        Jana Rizziolli

        Jessica Skroch

        João Marcos

        Juan Aguayo

        Ju Friedrich

        Juliana Oliveira

        July Portioli

        Katrin Libert

        Larissa Tanaka

        Leticia França

        Letycya Cipolla

        Lu Berlese

        Lucas Martins

        Luiz Dorabiato

        Marcelly Pires

        Mariana Bernal

        Mariana Paris

        Marta Helena de Assis

        Martha Toledo

        Nicolie Duarte

        Nicolli Mognon

        Renata Pegoretti

        Renata Salles

        Rosana Deliberador

        Roselaine Martins

        Samuel Granzoti

        Sofia Ricciardi

        Thainá Sagrado

        Thaís Santa Rosa

        Vanessa Machado

        Verônica Precybilovicz

        Wenndy Pollyana