15 março 2019 • Instituto Aurora

Projeto do Instituto Aurora e do Colégio Tiradentes retrata mulheres que lutam por direitos humanos

Se você mora em Curitiba e passou pelo centro nos últimos meses, você certamente viu essa arte aí da foto estampada na cidade.

 

A pintura do rosto da defensora de direitos Marielle Franco integra um projeto do Instituto Aurora – que atua na educação para uma cultura de garantia de direitos – em parceria com o Colégio Estadual Tiradentes.

O projeto consiste em trabalhar com os estudantes o desenvolvimento da empatia, o reconhecimento dos direitos humanos como os direitos que garantem uma vida digna a toda as pessoas sem discriminação e a construção de uma cultura de paz no Colégio e na nossa cidade.

Como parte do projeto, os estudantes participaram – e participarão em 2019 – de uma oficina de grafitti com o artista curitibano Cleverson Pacheco, Café, responsável pela autoria de inúmeros painéis urbanos em Curitiba e outras cidades do Paraná.

Durante a oficina de 2018, foi pintado o rosto de Marielle Franco. Já em 2019, os rostos das defensoras de direitos Atena Daemi (do Irã), Nguyen Ngoc Nhu Quynh (do Vietnã) e Malala Yousafzai (do Paquistão) se somarão ao da brasileira.

E por que dar visibilidade a essas mulheres?

De acordo com a Anistia Internacional, em todo o mundo o número de mortes de pessoas que defendem direitos está crescendo. O Brasil é o país que mais mata defensores de direitos humanos na América Latina. Por conta da distorção que existe sobre o termo, esquecemos que quando falamos de “defensores de direitos humanos” estamos falando de pessoas que lutam pela garantia da liberdade de expressão, que batalham pela educação de crianças e jovens, que se posicionam contra a tortura. Ou seja, todos nós deveríamos ser defensores de direitos humanos, não é mesmo?

Assim como Marielle, Atemi , Nguyen e Malala, sabemos que houve e há muitas outras mulheres construindo uma história para vivermos em uma sociedade justa, livre de preconceitos e com garantia de direitos.

Entendemos que esse painel urbano – ainda em construção – é um convite para encorajar a população a ser incansável na busca por garantia de direitos a todas as pessoas.

Por isso, na última semana de março, abriremos uma enquete para que as pessoas possam dizer que rosto gostariam de ver ao lado das defensoras já citadas. Se você já tiver uma sugestão, guarda pra contar pra gente em breve.

Todo o projeto, assim como a pintura do muro, está sendo realizado com verba própria do instituto e apoio de voluntários e voluntárias.

Destacamos aqui nossos parceiros e investidores do Instituto Aurora: Ministério Público do Paraná, Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos e Clínica de Direitos Humanos da Universidade Federal do Paraná. Em 2018, o Instituto Aurora foi contemplado com um investimento conjunto entre o Elas Fundo de Investimento Social e Instituto Avon.

Entendemos que a defesa por garantia de direitos a todas as pessoas sem discriminação deve ser uma luta apartidária e uma cultura a ser compartilhada e vivida.

Instituto Aurora e Colégio Estadual Tiradentes

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.