28 setembro 2018 • Instituto Aurora

Para poder viver

No último domingo (23), estreou no Fantástico a série “11 dias na Coreia do Norte – Da Capital Moderna ao Interior Atrasado”. Por alguns domingos, o programa vai mostrar um retrato do país, dominado por uma ditadura que escraviza, aliena e oprime violentamente mais de 23 milhões de pessoas. Claudia Guadagnin, jornalista e diretora de comunicação do Instituto Aurora, aproveita a factualidade da abordagem para lembrar no #AuroraIndica desta semana o livro “Para poder viver”, de Yeonmi Park:

 

“O livro denuncia os extremos inimagináveis da ditadura que predomina na Coreia do Norte e faz do país um dos mais opressores, violentos e abusivos do mundo. Yeonmi Park, a garota que escreve, relata as provas mais difíceis que sofreu quando, após anos de fome, escravidão e sofrimento no país – dominado há décadas por líderes de uma mesma família –, decide fugir em busca de liberdade e do direito de viver. Aos 13 anos, tenta chegar à China e vive a violência do submundo do tráfico e contrabando de pessoas. Relata infinitas dificuldades até chegar à Coreia do Sul e nos faz lembrar do mal e da crueldade irreparáveis que a ditadura é capaz de causar a uma sociedade. Yeonmi demonstra força indescritível ao superar os desafios e lembrar que “Direitos Humanos” são os direitos mais básicos que ela passou anos da vida sem conhecer. Um ensinamento valioso para os tempos em que vivemos, em que a desinformação sobre o conceito ainda predomina entre uma parcela da sociedade. Li o livro em três dias, tamanho interesse que tive ao chegar ao fim da história. E recomendo, a quem puder, que o conheça ainda antes das Eleições. A obra é um retrato do quanto regimes opressores, violentos e totalitários maltratam e matam. Findam sonhos e esperanças. Acabam com vidas”.

 

A sugestão no Instagram pode ser vista aqui.

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.