O que fazemos › Educação em direitos humanos › Exibição do filme Chega de Fiu Fiu

Exibição do filme Chega de Fiu Fiu

O Instituto Aurora, em parceria com a Clínica de Direitos Humanos da UFPR, realiza exibições do filme “Chega de Fiu Fiu”, seguidas por rodas de conversa sobre assédio no espaço público.

O longa é um projeto que faz parte da campanha “Chega de Fiu Fiu”, criada em 2013 pelo Think Olga contra o assédio sexual. Das diretoras Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão, ele foi fruto do apoio que a campanha recebeu e revela o dia a dia de três mulheres que mostram como a violência de gênero é constantemente praticada no espaço público urbano. E estimula uma reflexão: será que as cidades foram feitas para as mulheres?

Durante as discussões, foram levantados diversos tópicos como: ainda existe uma dificuldade em entendermos o assédio como uma violência, e também há uma dificuldade em denunciar; os homens precisam ter um papel ativo junto a outros homens, para a eliminação do assédio; precisamos fazer uma análise da questão com recorte racial, já que historicamente as mulheres negras têm seus corpos vistos de forma muito mais sexualizada; as expressões de masculinidade que conhecemos estão atreladas a comportamentos violentos e isso precisa ser ressignificado.

Como convidadas das rodas de conversa já participaram: Taysa Schiocchet, professora adjunta da Faculdade de Direito e do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR, doutora em Direito e coordenadora da Clínica de Direitos Humanos da Universidade; Silvana de Oliveira Niemczewski, advogada e presidente da comissão de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Paraná; Daniel Fauth, graduado em Direito pela UFPR e mestrando em Direito Penal na mesma instituição, especialista em criminologia pelo ICPC e graduando em Psicologia na PUCPR; Caroline Tomazoni Santos, pesquisadora de pós-doutorado em Engenharia da Construção Civil da UFPR; Heloisa Maldonado Mocelin, graduanda de geografia na UFPR, integrante do Centro Acadêmico da Geografia (CAGEO) e do coletivo feminista Pachamama (também da Geografia).

Crédito das fotos: Andrea Mayumi e Franciele Correa