01 março 2019 • Instituto Aurora

O conto de Aia

A sugestão de hoje é a série “The Handmaid’s Tale”, que foi disponibilizada agora em fevereiro na Globo Play.

Ela é baseada no livro “O Conto da Aia”, de Margaret Atwood, que foi escrito na década de 1980 e, infelizmente, ainda aborda questões com as quais temos de lidar diariamente, como o estímulo da rivalidade feminina, a divisão de mulheres em categorias, a rendição pela maternidade, os estereótipos de gênero e a LGBTfobia.

Quem comenta sobre a série é a Andrea Mayumi.

 

“A história de ‘O Conto da Aia’ se passa em um futuro distópico, no qual as mulheres perderam todos os seus direitos e a sua liberdade e foram divididas em funções. Existem as esposas, que cumprem um papel social, as ‘marthas’, responsáveis pelo trabalho doméstico, e as ‘aias’, que fazem compras e servem para a procriação, uma vez que a fertilidade humana sofreu uma queda drástica e gerar um herdeiro é algo muito importante.

Acompanhamos a personagem Offred, que é uma aia, e cujo ‘nome’ significa ‘do Fred’, ou ‘pertencente a Fred’. Todas as aias são assim. Despersonalizadas e levam o nome do comandante a quem servem. Elas também sempre andam em duplas, supostamente, por questões de segurança, mas também para que uma vigie a outra. Esse clima de desconfiança entre as mulheres, de medo que a qualquer momento elas possam ser denunciadas pelos seus pares é essencial para a manutenção desse governo totalitário.

No decorrer da história, há alguns flashbacks do passado, mostrando como as mulheres foram perdendo seus direitos pouco a pouco, até que culminasse na distopia em que estão vivendo.

Uma de minhas passagens favoritas do livro é: “Vivíamos, como de costume, por ignorar. Ignorar não é a mesma coisa que ignorância. Você tem de se esforçar para fazê-lo”.

A reflexão nos estimula, portanto, a pensar: quantos problemas sociais não estamos ignorando?”.

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.