25 julho 2019 • Instituto Aurora

Aurora Sugere: indicações de julho

Estamos no final do Julho das Pretas, criado em 2013 pelo Instituto Odara para trazer uma agenda conjunta entre diversas organizações, movimentos e cidades para o fortalecimento das organizações de mulheres negras. Este mês foi escolhido justamente para marcar uma data especial: o Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina-americana e Caribenha, 25/07.

E nós lembramos do Julho das Pretas com um mês especial em nosso Aurora Sugere, onde todas as dicas são de obras ou de projetos criados e conduzidos por mulheres negras brasileiras.

PARA FICAR HORAS NO YOUTUBE: Canal Afros e Afins

Começamos com o canal Afros e Afins, da Nátaly Neri. Se você ainda não a conhece, pode ir preparando a pipoca e o sofá, porque dá pra ficar horas assistindo aos seus vídeos 💜 A Nátaly é estudante de Ciências Sociais e no Afros e Afins conversa conosco sobre raça, gênero, sociedade, amor e estilo de vida. Importância da estética negra, racismo no movimento vegano, cotas para pessoas trans são apenas três exemplos que trazemos do que você vai encontrar nesse canal.

 

PARA OUVIR: Tuyo

Para este Julho das Pretas, a Gabriela Almeida, que é designer no Instituto Aurora, quis compartilhar música! Ela sugere que você pause o que está ouvindo agora e coloque a banda Tuyo para tocar. Esse trio formado por Jean Machado e pelas irmãs Lay e Lio Soares tem dois álbuns circulando por aí: “Pra Doer” e “Pra Curar”. Pelos nomes já dá pra perceber que são canções que mexem com a gente, né?

Mas além de transformar dores diversas em poesia, também encontramos em Tuyo um processo de identidade, de se reconhecer e de se afirmar como pessoa negra. De valorizar corpo, cabelo e pele da pessoa negra.

O vídeo que escolhemos é um trechinho do clipe da música “Amadurece e Apodrece”, que mostra bem o que estamos falando. Nas palavras da própria banda, em uma entrevista para o portal É Tudo Cultura: “Em alguns momentos lá das gravações dava pra sacar que a Tuyo tinha ultrapassado esse lugar de banda, que a música tinha ultrapassado esse registro de vídeo. Tudo ali virou uma espécie de causa.”

Tanto que desse clipe nasceu um documentário. Intitulado “Nude, de onde vem a beleza”, o filme foi feito com o mesmo elenco do clipe e nos traz questões como representatividade, aceitação, autoestima e belezas plurais.

Tuyo é mais do que música. Mas se você ainda não ouviu, deveria correr para o Spotify.

 

PARA LER: Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis

Reverter o apagamento histórico das mulheres não é tarefa fácil. Foram necessários quatro anos para que a escritora Jarid Arraes fizesse toda sua pesquisa e produzisse o livro “Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis” – obra que a autora segura na imagem que escolhemos para ilustrar essa dica.

Em seus cordéis, Jarid retoma a história de mulheres como Dandara dos Palmares e Luiza Mahin. Além delas, encontramos no livro trajetórias de escritoras, de mulheres do passado e do presente, e até da primeira deputada negra do Brasil.

Uma leitura necessária, e muito bem-vinda!

PODCAST: Pretas na Rede

 

Para encerrar bem o Julho das Pretas, nossa última dica não poderia ser diferente: um podcast criado e conduzido por mulheres negras, que fala sobre o o Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha e traz diversos pontos de vista sobre a data.

Em 13 minutinhos, o episódio Especial Dia da Mulher Negra do podcast Pretas na Rede traz contexto e opiniões fundamentais para que a gente entenda a importância de hoje e a importância de reafirmar a luta das mulheres negras.

Bora ouvir?

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.