26 abril 2019 • Instituto Aurora

Aurora Sugere: indicações de abril

Neste mês, tivemos indicações para todos os gostos! Os livros e vídeos que tocaram a nossa equipe de algum modo e que compartilhamos com vocês falam das relações que temos com o “diferente”, de representatividade feminina, da importância de entender o peso das palavras em nossa comunicação.

Confira a seguir!

 

Não era você que eu esperava

Nesta graphic novel Fabien Toulmé conta, de forma muito sincera, sobre o período de adaptação após o nascimento da segunda filha, Julia, que tem Síndrome de Down. Durante a gravidez de sua esposa, foram realizados diversos exames, mas a trissomia 21 não havia sido detectada.

Além de abordar a sua adaptação pessoal, Fabien traz, no decorrer da história, alguns dados e informações sobre a síndrome. Também apresenta relatos de como a reação de outras pessoas em relação à sua filha pode ser triste ou enervante. E há, ainda, uma questão interessante: a esposa do autor é brasileira e, durante um período da gestação, eles moravam no Brasil, antes de se mudarem para a França. Então, acabamos sendo apresentados a algumas diferenças referentes ao sistema de saúde e às leis nos dois países.

Os quadrinhos nos apresentam a história de uma forma muito sensível e que causa empatia, justamente pela forma corajosa de Fabien relatar que no começo teve dificuldade de até mesmo sentir carinho por sua filha. E fica uma reflexão sobre os preconceitos que temos, não apenas de pessoas com Síndrome de Down, mas que tenham qualquer característica que as tornem “diferentes”.

 

Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes

Em “Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes”, as escritoras italianas Elena Favilli e Francesca Cavallo reuniram cem histórias de mulheres que nos ajudam a quebrar estereótipos de gênero e mostram a força e a coragem para ser o que se deseja.

São narrativas que revertem a falta de representatividade feminina em diversas áreas. Por muito tempo, as vidas de várias mulheres que estão no livro ficaram ocultas aos nossos olhos.

Uma das histórias que você vai encontrar nessa leitura é a da Malala Yousafzai – que é um dos rostos da nossa campanha #AsFacesdoMuro. Você já está por dentro dessa ação? Saiba mais sobre ela em: bit.ly/asfacesdomuro

 

Índio x indígena

No #DiadoÍndio, nossa indicação trouxe um questionamento: será que sabemos o que estamos falando quando usamos essa palavra? Que representações estão contidas nela?

Neste vídeo, o escritor Daniel Munduruku nos convida a pensar nessas questões e explica a diferença entre os termos índio e indígena. A conversa aconteceu na terceira edição do Mekukradjá – Círculo de Saberes, um evento que acontece no Itaú Cultural e discute temas como arte, cultura e identidade no âmbito das questões indígenas.

Em cinco minutinhos de vídeo, Daniel tem muito a nos ensinar.

Não deixe de ver – e também de ler!

 

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.