15 fevereiro 2019 • Instituto Aurora

A origem do mundo

Nesta semana, dia 06 de fevereiro, lembramos em nossas redes o Dia Internacional contra a Mutilação Genital Feminina, data instituída pela ONU para lembrar a importância de se falar sobre essa violência, que ainda afeta milhares de mulheres no mundo.

Nossa dica de hoje, fornecida pela Andrea Mayumi, aborda uma série de assuntos considerados tabus envolvendo o corpo feminino. A mutilação feminina é um deles. Veja o que ela diz.

 

“O livro ‘A origem do mundo’, de Liv Strömquist, revela que, em algumas culturas antigas da civilização ocidental, a genitália feminina era amplamente representada e considerada como parte do sagrado / espiritual / existencial.

Com o passar do tempo, no entanto, os órgãos sexuais femininos passaram a não ser vistos mais de forma tão positiva e, no decorrer dos séculos, diversos pensadores e estudiosos fizeram suposições errôneas sobre a anatomia feminina, com pouco ou nenhum embasamento.

Há relatos, por exemplo, de como a clitoridectomia radical (remoção cirúrgica do clitóris) era um procedimento totalmente aceito durante o século XIX.

Ainda vemos reflexos dessa imagem distorcida dos órgãos sexuais femininos na nossa sociedade atualmente. Encontramos forte oposição conceitual entre masculino e feminino, usada para justificar desigualdades e assuntos que deveriam ser tratados com naturalidade, como a menstruação, ainda são rodeados de tabus e de um sentimento de vergonha.

Em ‘A origem do mundo’, Liv aponta para uma visão mais libertadora de nossos corpos. Vale a leitura!”

 

A sugestão no Instagram pode ser vista aqui.

Gostou desse conteúdo?

Assine a nossa newsletter e receba notícias do Instituto Aurora em seu e-mail.